“BALADA DA MULHER DE CHAPÉU CORAL” – por Rita de Cássia Amorim Andrade (categoria: Ritissima-Textos)

Postado por Rita de Cássia ligado out 25, 2016 em Ritissima-Textos | 0 Comentários

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

BALADA DA MULHER DE CHAPÉU CORAL

 

Por Rita de Cássia Amorim Andrade

 

 

Ausente de simplicidade,

ombros desnudos, alvorava,

distante da maturidade,

a doce juventude, amava.

Fantasiava mocidade,

pela alma manipulada,

caracterizava vaidade,

chapéu coral, escalada.

 

 

Olhar de credibilidade,

cor de ágata, deslumbrava,

imagem de realidade,

a muitos olhos enganava.

Espelho da fatalidade,

da paixão desvinculada,

aceita tal conformidade,

chapéu coral, desolada.

 

Olhar de mel, calamidade,

para os olhares, pregoava

abraços dados, qualidade,

aos rapazes, enamorava.

Aos idosos, falsidade,

arremessava-lhes, calada,

os lábios próprios da idade,

em chapéu coral, colada.

 

Apaixonada, não seria jamais,

e jurava que nasceu amada,

mede espaço entre os demais,

mas nasceu mesmo falada.

 

O chapéu coral, tirar jamais

*

Figura: painting of woman.

*

Deixe um comentário:

24 + 7   é igual a   »
Deixe estes dois campos como estão:

IMPORTANTE!
Para enviar seu comentário é preciso informar a resposta ao cálculo acima.