Ritissima-Textos

O RETRATO – por Rita de Cássia Amorim Andrade (categoria: Ritissima-Textos)

                                                    O RETRATO Por Rita de Cássia Amorim Andrade O retrato não me foi dado, O retrato ali estava Entre tantos outros Em um espaço restrito. Eu vi o retrato Eu ouvi a voz do retrato E a voz me dizia: Me leva...

Leia mais

“FAR FROM THE MADDING CROWD adapted from Chapter I by Rita de Cássia Amorim Andrade (categoria: Ritissima-Textos)

                                              FAR FROM THE MADDING CROWD Adapted from Chapter I by Rita de Cássia Amorim Andrade   Gabriel Oak was an honest, happy and sensible man living at the field. He was known as Farmer Oak because he had a small farmer, with two...

Leia mais

“ACALANTO” > por Rita de Cássia Amorim Andrade (categoria: Ritissima-Textos)

                                                        ACALANTO Por Rita de Cássia Amorim Andrade Dorme meu menino da montanha Tua mamãe de tão longe te acalanta E clareia a tua noite escura Embalando os teus sonhos Menino de outra mãe nascido ...

Leia mais

22 de agosto > DIA DO FOLCLORE > A LENDA DA LAGOA DO PORTINHO – por Rita de Cássia Amorim Andrade (categoria: Ritissima-Textos)

                                                                                                22 de agosto > DIA DO FOLCLORE A LENDA DA LAGOA DO...

Leia mais

“A LOVING-FACED FRIEND” – by Rita de Cássia Amorim Andrade to EDRIS ELBA (categoria: Ritissima-Textos)

                                      A LOVING-FACED FRIEND By Rita de Cássia Amorim Andrade   He is a tall man with a loving-faced friend. His eyes are warm and clever sometimes profoundly. His body is a figure carved by Zeus. His lips is giving the impression that he is a...

Leia mais

“O PERGAMINHO E A TINTA” – por Rita de Cássia Amorim Andrade (categoria: Ritissima-Textos)

                                                          O PERGAMINHO E A TINTA “Mas o verso não tem veneno que o mate” (Antonio Ventura) Por Rita de Cássia Amorim Andrade   Havia um pergaminho e havia um bico de pena. ...

Leia mais

“O LIVRO” por Rita de Cássia Amorim Andrade (Ritissima-Textos)

                                                O LIVRO Por Rita de Cássia Amorim Andrade   A CRIAÇÃO O espírito inquieto entrou no seu limite. Nascia a vontade de externar os sentimentos num processo criativo que sublimava-se na hamonia do belo. No...

Leia mais

A MENINA E O TEMPO – por Rita de Cássia Amorim Andrade (categoria: Ritissima-Textos)

A MENINA E O TEMPO Para mim é sempre ontem, Não tenho amanhã nem hoje: O tempo que aos outros foge Cai sobre mim feito ontem. (Mário de Sá-Carneiro – Dispersão)   O pátio da escola estava lotado naquele horário. O recreio tinha de tudo, lanches, jogos de peteca, paqueras, meninos exibicionistas, meninas a cochichar. Depois de aulas maçantes, seria justo aquele rufar...

Leia mais

O MENINO E A CHUVA – por Rita de Cássia Amorim Andrade (categoria: Ritissima-Textos)

                                                O MENINO E A CHUVA Por Rita de Cássia Amorim Andrade   Na calçada, o corpinho nu se contrai ante a torrente que do céu desaba. A água escorre fria pelo corpo do menino. Olhos assustados, como duas pérolas...

Leia mais

“EXCERTOS” – por Rita de Cássia Amorim Andrade (categoria: Ritissima-Textos)

                                    EXCERTOS “Eu ficarei só como os veleiros nos portos silenciosos” (Vinicius de Moraes) Por Rita de Cássia Amorim Andrade     Não mais verei a tua face angelical, nem o teu silêncio eloquente decifrarei.   Não mais trocarei palavras...

Leia mais